Intercontinental Journal on Physical Education
ISSN 2675-0333

http://www.ijpe.periodikos.com.br/article/5fcdad720e88258f125fa0e4
Intercontinental Journal on Physical Education<br> ISSN 2675-0333
Review

Obesidade infantil e seus impactos psicológicos e sociais

Gabriela Martins dos Santos, Carlos Alberto Figueiredo da Silva

Downloads: 2
Views: 275

Resumo

A obesidade é considerada uma doença crônica, como um processo de acúmulo excessivo de gordura corporal. Por sua vez, a obesidade cresce de maneira significativa atingindo todas as faixas etárias. Em consequência, a obesidade infantil tem chamado muita atenção, por ser um determinante importante para o surgimento de vários problemas e danos à saúde ainda na infância. O presente estudo tem como objetivo refletir sobre a discriminação, preconceito e exclusão em relação à obesidade infantil e como pode ser um fator de risco à saúde psicológica. com impactos sociais. Trata-se de uma revisão de literatura, com uma abordagem exploratória e descritiva aos bancos de dados SciELO, Google Acadêmico e Pubmed. Existe uma grande associação a comportamentos negativos de preconceito, exclusão, discriminação, rejeição quando se trata de indivíduos com obesidade e isso também acarreta as crianças desde sua infância. Conclui-se que, além das consequências atribuídas à obesidade infantil, ela ainda acarreta muitos outros problemas. A obesidade não traz só problemas fisiológicos ao indivíduo, mas também vem acompanhada de prejuízos psicológicos e sociais.

Palavras-chave

Obesidade, Obesidade infantil, Preconceito, Discriminação, Exclusão, Impactos Psicossociais

References

Abreu, J. (2010). Obesidade infantil: abordagem em contexto familiar. Porto, Funchal.

Andrade, T. D. M., Moraes, D. E. B. D., & Ancona-Lopez, F. (2014) Problemas Psicológicos e Psicodinâmicos de crianças e adolescentes obesos: relato de pesquisa. Psicologia: Ciência e Profissão, 34, 126-14.

Barbosa, V. L. P. (2004). Prevenção da obesidade na Infância e na adolescência: exercício, nutrição e psicologia. Barueri, SP: Manole.

Bacchini, D. et al. (2015). Bullying and Victimization in Overweight and Obese Outpatient Children and Adolescents: an Italian Multicentric Study. PLoS One.

Bertoletti, J., & Garcia-Santos, S. C. (2012). Avaliação do estresse na obesidade infantil. Psico, 43, 32-38.

Burke, V et al. (2005). Predictors of body mass index and associations with cardiovascular risk factors in Australian children: a prospective cohort study. International Journal of Obesity, 29, 15-23

Costa, M.A.P., Souza, M.A, & Oliveira, V.M. (2012).Obesidade infantil e bullying: a ótica dos professores. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 03, p. 653-665.

Feldmann et al. (2009). Implicações psicossociais da obesidade infantil em escolares de 7 a 12 anos de uma cidade serrana do sul do Brasil. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo, v.3, n.15, p.225-233.

Fisberg, M. (1995). Obesidade na Infância e Adolescência. São Paulo: Fundação BYK.

Frelut, M. L.; Navarro, J. (2000). Obesity in the child. Presse Medicale, 29(10), 572-577.

Friedman, M. A; Brownell, K. D. (1995).Psychological correlates of obesity: moving to the next research generation. Psychological Bulletin, Gorayeb.

Gil, A. C. (1995). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Hatzenbuehler, M.L., Keyes, K.M., & Hasin, D.S. (2009). Associations between perceived wieight discrimination and the prevalence of psychiatric disorders in the general population. Obesity, 17(11), 2033-2039.

Hörchner, R.,Tuinebreijer, W. E.,Kelder, H.,& Urk, E. (2002). Coping behavior and loneliness among obese patients. Obesity Surgery, 12 (6), 864 – 868.

Kolotkin, R.L. et al. (2006). Assessing weight-related of life in adolescents. Obesity, 14: 448-57.

Kopelman, Peter G. (2000). Obesity as medical problem. Nature, v. 404, n. 6, p. 635-643.

Levandoski, G. (2009). Análise de fatores associados ao comportamento bullying no ambiente escolar: características cineantropométricas e psicossociais. Dissertação (mestrado). Florianópolis: Universidade do Estado de Santa Catarina; Mestrado em Ciências do Movimento Humano.

Lôbo, C.R., & Santos, C.S. (2016). Visão geral dos alunos do ensino fundamental sobre preconceitos envolvendo sobrepeso/obesidade durante as aulas de educação física em uma escola pública de Formosa-Goiás. Educação Física em Revista - EFR, Goiás, v. 9, n. 2, p. 86-103.

Lopes, P.C.S. et al. (2010).Fatores de risco associados à obesidade e sobrepeso em crianças em idade escolar. Rev. bras. enferm, Brasília.

Lumeng, J.C. et al. (2010). Weight Status as a Predictor of Being Bullied in Third Through Sixth Grades. Pediatrics, v. 125, n. 6, p. 1301-1307.

Maddox, G.L., Back, K.W., Liederman, V.R. (1969). Overweight as social deviance and disability. Journal of Health and Social Behavior, v. 9, n. 4, p. 287–298.

Mello, E.D., Luft, V.C.; Meyer, F. (2004). Obesidade infantil: como podemos ser eficazes? Jornal de Pediatria, v. 80, n. 3, p. 173-182.

Melo, V.L.C, Serra, P.J. & Cunha, C.F. (2010). Obesidade infantil – impactos psicossociais. Rev Med, Minas Gerais,20(3): 367-370.

Mattos, R.S. et al. (2012). Obesidade e bullying na infância e adolescência: o estigma da gordura. Demetra: Nutrição e Saúde, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p.71-84.

Nahás, M.V. (1999). Obesidade, controle de peso e atividade física. Londrina: Midiograf.

Neutzling, M.B.; Taddei, J.A.A.C.; Gigante, D.P. (2003) Risk factors of obesity among Brazilian adolescentes: a case-control study. Public Health Nutrition. Vol. 6. Num. 8. p. 743-749.

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Organização Mundial da Saúde (OMS). (2003). Doenças crônico-degenerativas e obesidade: Estratégia Mundial sobre alimentação saudável, atividade física e saúde. Brasília: OPAS.

Pereira, F. & Lancha-Junior. (2003). Obesidade: hábitos nutricionais, sedentarismo e resistência à insulina. Arq Bras Endocrinol Metab, São Paulo, v: 47 n:2.

Pereira, T.F.C. (2011). OBESIDADE: A epidemia do século XXI?. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Portugal.

Rocha et al. (2017). Aspectos psicossociais da obesidade na infância e adolescência. Psic., Saúde & Doenças, Lisboa, vol.18, n.3.

Serdula Mk, I. D.; Coates, R. J. (1993). Do obese children become obese adults? A review of the literature. Prev Medicine, London, n. 22, p. 167-177.

Silva, C. A. F., & Devide, F. P. (2009). Linguagem discriminatória e etnométodos de exclusão nas aulas de educação física escolar. Revista Brasileira de Ciências do Esporte30(2).

Soares, L.D.; Petroski, E.L. (2003). Prevalência, fatores etiológicos e tratamento da obesidade infantil. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v. 5, n. 1, p. 63-74.

Strauss, C.C. et al. (1984). Personal and interpersonal characteristics associated with childhood obesity. Journal of Pediatric Psychology, v. 10, n. 3, p. 337–343.

Tavares, L. B.; Brasileiro, M. C. (2003). O espelho de narciso: o corpo belo representado por adolescentes. III Jornada Internacional e I Conferência Brasileira sobre Representações Sociais. Rio de Janeiro: Textos completos.

Tavares TB, Nunes SM e Santos MO. (2010). Obesidade e qualidade de vida: revisão da literatura. Rev Med, Minas Gerais, 20(3): 359-366.

Vicente, B. I., Belmont, R., & da Silva, C. A. F. (2019). Teachers’ Perceptions of Aspects That Influence the Exclusion in Physical Education Class. Advances in Physical Education, 9(3), 176-187.

Viuniski, N. (2001). Pontos de corte de IMC para sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes. Revista ABESO, São Paulo, n. 3, p. 8-11.

World Health Organization et al. (2020). Constituição da Organização Mundial da Saúde (OMS/WHO).


Submitted date:
08/10/2020

Accepted date:
11/20/2020

5fcdad720e88258f125fa0e4 ijpe Articles
Links & Downloads

IJPE

Share this page
Page Sections