Intercontinental Journal on Physical Education
ISSN 2675-0333

http://www.ijpe.periodikos.com.br/article/602c071f0e8825180aa41592
Intercontinental Journal on Physical Education<br> ISSN 2675-0333
Artigo Original

O exercício físico e a população de Petrópolis, RJ - Uma amostra populacional

Rafael dos Santos Coutinho; Rafael de Souza Vicente; Renato Vasconcelos Farjalla

Downloads: 2
Views: 107

Resumo

O exercício físico é considerado uma grande ferramenta profilática à saúde das pessoas. Ao analisar o nível de atividade física (NAF) num contexto macro, seja nos pequenos ou grandes países, destaca-se a diminuição dos gastos públicos com saúde como um grande benefício proveniente de uma população mais ativa. Sendo assim, o objetivo do estudo foi identificar a relação do petropolitano com a prática de atividade física, como também os fatores socioeconômicos que possivelmente interferem nessa relação. Trata-se de um estudo de cunho transversal, descritivo e quantitativo de acordo com sua forma de desenvolvimento, aplicação e análise. Ao final foi possível observar uma baixa aderência dos entrevistados à atividade física regular e, observando as faixas etárias, os jovens apresentaram maior frequência e duração. Uma relação diretamente proporcional foi observada na comparação da escolaridade com a frequência de exercício e na renda com a frequência de exercício.

Palavras-chave

Exercício; População; Prevenção Primária.

References

Bueno, D. R., Marucci, M. d., Codogno, J. S., & Roediger, M. d. (2016). Os custos da inatividade física no mundo: estudo de revisão. Ciênc. saúde coletiva, 21(4).

C, W. (2004). O valor público dos parques urbanos. O instituto urbano.

Camões M. (2008). Fatores associados à atividade física na população portuguesa. Rev Saúde Pública, 42(2).

Cohen DA, M. T. (2007). Contribuição de parques públicos à atividade física. Sou J Saúde Pública, 97(3).

de Lima, D. F., Levy, R. B., & Luiz, O. d. (2014). Recomendações para atividade física e saúde: consensos, controvérsias e ambiguidades. Rev Panam Salud Publica, 36(3).

Del Duca, G. F., Nahas, M. V., Hallal, P. C., & Peres, K. G. (2014). Atividades físicas no lazer entre adultos de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil: estudo populacional sobre as características das práticas e de seus praticantes. Ciênc. saúde coletiva, 19(11).

Florindo AA, G. V. (2009). Epidemiology of leisure, transportation, occupational, and household physical activity: prevalence and associated factors. Phys Act Health, 6(5).

Ford ES, M. R. (1991). Physical activity behaviors in lower and higher socioeconomic status populations. Am J Epidemiol, 133(12).

Giro Serra. (2019). Mais de 200 eventos esportivos foram realizados em Petrópolis nos últimos dois anos. Acesso em 30 de Jan de 2020, disponível em https://portalgiro.com/mais-de-200-eventos-esportivos-realizados-em-petropolis-em-dois-anos/

Godbey, G. C., Caldwell, L., Floyd, M., & Payne, L. L. (2005). Contributions of Leisure Studies and Recreation and Park Management Research to the Active Living Agenda. Am J Prev Med, 28.

Ibge. (2017). IBGE - CIDADES - PETRÓPOLIS. Acesso em 30 de Jan de 2020, disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rj/petropolis/panorama

Kaczynski, A. B. (2014). A proximidade e os recursos do parque estão relacionados ao uso e à atividade física do parque entre adultos? Variações por múltiplas características sociodemográficas. Int J Behav Nutr Phys, 146.

Lima, D. F. (2019). A prática de atividade física mediada pelo meio geográfico: a distância entre as moradias e as instalações. Caderno de Educação Física e Esporte.

Malta DC, M. E. (2009). adrão de atividade física em adultos brasileiros: resultados de um inquérito por entrevistas telefônicas. Epidemiol Serv Saúde, 18(1).

Marcondelli, P., Costa, T. H., & Schmitz, B. d. (2008). Nível de atividade física e hábitos alimentares de universitários do 3º ao 5º semestres da área da saúde. Revista de Nutrição, 21(1).

Mirowsky, B. (2003). Education, Social Status, and Health (1 ed.). Routledge.

Nasser, R. L. (2016). Atividade física de lazer e uso de substâncias lícitas em uma amostra populacional de adultos jovens. Ciênc. saúde coletiva, 21(1).

Núcleo da Informação e Coordenação do Ponto BR - NIC.br. (2018). Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação: pesquisa TIC Domicílios. Acesso em 30 de Jan de 2020, disponível em http://cetic.br/arquivos/domicilios/2018/domicilios/#tabelas

Oms. (2018). Physical activity. Acesso em 30 de Jan de 2020, disponível em https://www.who.int/en/news-room/fact-

Oms. (2019). SEDENTARY LIFESTYLE: A GLOBAL PUBLIC HEALTH PROBLEM. Acesso em 30 de Jan de 2020, disponível em https://www.who.int/docstore/world-health-day/2002/fact_sheets4.en.pdf

Romeiro-Lopes, T. C., França-Gravena , A. A., Agnolo, C. M., Rocha-Brischiliari, S. C., De Barros Carvalho, M. D., & Pelloso, S. M. (2014). Fatores associados à inatividade física no lazer em município do Sul do Brasil. Revista Salud Pública, 16(1).

SA silva, S. P., Sandre-Pereira, G., & Salles-Costa, R. (2011). Fatores sociodemográficos e atividade física de lazer entre homens e mulheres de Duque de Caxias/RJ. Ciênc. saúde coletiva, 16(11).

Salles-Costa R, H. M. (2003). Gênero e prática de atividade física no lazer. Cad Saude Publica, 19(2).

Vigitel. (2019). VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO. Acesso em 30 de Jan de 2020, disponível em https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/julho/25/vigitel-brasil-2018.pdf

Warburton, D. E., Nicol, C. W., & Bredin, S. S. (2006). Health benefits of physical activity: the evidence. CMAJ, 174(6).

ZANCHETTA, L. M. (2010). Inatividade física e fatores associados em adultos, São Paulo, Brasil. Rev Bras Epidemiol, 13(3).


Submitted date:
08/15/2020

Reviewed date:
11/21/2020

Accepted date:
02/15/2021

602c071f0e8825180aa41592 ijpe Articles
Links & Downloads

IJPE

Share this page
Page Sections